lunes, octubre 3, 2022
HomeDPL NEWSTIM avalia três formas de usar satélites em sua rede

TIM avalia três formas de usar satélites em sua rede

Alberto Griselli, CEO da TIM no Brasil, explica que a operadora usa os satélites para complementar a cobertura.

Leer en español

A TIM está estudando três formas de usar os satélites para complementar sua cobertura, informou o presidente da operadora no Brasil, Alberto Griselli, durante o Seminário 5G.Br. O executivo participou da primeira edição do evento organizado pelo Ministério das Comunicações, que aconteceu nesta quinta-feira, 11, em São Paulo.

Segundo Griselli, a forma mais consolidada da conexão satelital é usar o satélite geoestacionário para conectar os sites. Ele deu como exemplo o projeto do governo brasileiro de conectar as escolas de áreas remotas que ainda não têm eletricidade.

“É exatamente o que estamos fazendo para levar a cobertura 4G em todos os cantos do Brasil. Temos o projeto SkyCoverage, em que temos antena com um painel solar para fornecer energia e tem o backhaul satelital para fazer a conexão”.

Ele disse que a TIM tem aproximadamente 1.300 dessas antenas que são usadas para levar cobertura 4G a todos os municípios brasileiros. “Isso se chama satellite to the site e é um uso consolidado”, informou.

Outras possibilidades “no radar” da operadora são satellite to the home e satellite to the phone, que estão mais ligadas às constelações de satélites de nova geração.

Griselli afirmou que a TIM está testando a SpaceX, que permite conexões de até 300 Mbps. “Estamos vendo a capacidade da tecnologia de fornecer um cenário de banda larga fixa e [cumprir] algumas obrigações que temos de cobertura nas escolas rurais”.

O terceiro uso é mais futurista, disse o CEO da TIM. “É o que vai permitir que qualquer celular funcione não com antena terrestre, mas através de uma propagação satelital”.

“Existem essas constelações de novíssima geração que serão operacionais no segundo semestre e estão no nosso radar. Qual é o caso de uso? Levar cobertura para áreas remotas com velocidade mais parecida hoje com 4G do que com o 5G. São mecanismos que utilizamos para complementar nossa cobertura e levar sinal satelital a todos os brasileiros”, completou.

Mirella Cordeiro
Mirella Cordeiro
Editora, periodista de temas digitales, telecomunicaciones y tecnología y corresponsal de DPL News en Brasil y lengua portuguesa. Editor, jornalista digital, de telecomunicações e tecnologia e correspondente do DPL News no Brasil e em português.

Publicidad

LEER DESPUÉS