As aplicações – não a infraestrutura – apresentam maiores riscos de vazamento de dados: Huawei

Leer en español

A Huawei garante rigor na cibersegurança de seus produtos. Os equipamentos da Huawei são projetados considerando a segurança cibernética e a privacidade. Além disso, transparência, centros de testes e um laboratório independente garantem a segurança do produto.

A segurança dos produtos é uma questão prioritária para a Huawei. Só em 2021, a empresa investiu mais de US$ 1,08 bilhão em cibersegurança e proteção de privacidade.

Segundo Marcelo Motta, diretor de Cibersegurança e Proteção de Dados da Huawei América Latina, o desenvolvimento de todos os produtos da empresa é centrado em cibersegurança e privacidade. O rigor é tanto que existem centros de transparência, testes de clientes e de certificação de produtos, e um centro independente ou laboratório contratado para garantir o cumprimento das diretrizes.

E o cuidado não é para menos: a rede corporativa global da Huawei detecta e defende dezenas de milhões de ataques cibernéticos mensalmente. Na Nuvem pública, o número chega a centenas de bilhões de tentativas por ano, diz Motta em entrevista à DPL News. Apesar disso, ele explica que os aplicativos e plataformas são a parte do ecossistema que corre maior risco de vazamentos, não a infraestrutura de conectividade.

Motta também esclarece que o 5G é mais seguro que o 4G, mas os riscos aumentam à medida em que tudo se torna digital. O executivo da Huawei ainda compara qual tecnologia é mais segura: 5G ou WiFi.

Leia a entrevista com Motta:

Mirella Cordeiro: Como a Huawei garante a segurança dos seus produtos?

Marcelo Motta: Temos uma organização focada no tema, com quase 4 mil pessoas ao redor do globo. Estabelecemos o que se chama “cybersecurity and privacy by design” (cibersegurança e privacidade desde a concepção) com requisitos claros e pontos de controle nos mais diversos processos que utilizamos internamente, sendo o de pesquisa e desenvolvimento o mais importante deles.

Além disso, definimos um processo de garantia de conformidade por meio de um laboratório independente de nossas linhas de produto, com certeza o mais rigoroso do setor. Também temos centros de transparência, os testes de cibersegurança de clientes e os de certificação de produtos.

Relacionado: Huawei: transparencia ante el mundo y cuidado end to end para reducir el riesgo a cero

Mirella Cordeiro: Como a Huawei adapta seus produtos às diferentes normas de segurança em diferentes países?

Marcelo Motta: Temos um mapa global de requisitos que atualizamos regularmente, o que serve de referência para os mais diversos processos internos: de desenvolvimento de produtos, de gerenciamento de parceiros, de manufatura, de logística, de vendas, de serviços, de operação e manutenção, dentre inúmeros outros. 

Além disso, há as leis e regulamentos locais que se transformam em parâmetros nos processos locais, sempre com o objetivo de cumprir com as normas nos mais diversos países onde atuamos. Por exemplo, o prazo máximo para responder a um titular de dados privados é diferente na GDPR (Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados) da Europa e na LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais) do Brasil, o que foi ajustado em nossa plataforma de tratamento dessas solicitações.

Mirella Cordeiro: A Huawei faz parte da iniciativa MANRS junto com outras fabricantes de equipamentos. Qual a importância de se investir em padrões de segurança?

Marcelo Motta: Padronização é importante para levar segurança para dentro dos sistemas e soluções, contribuindo para o aprimoramento da indústria de forma geral. Apoiamos e ativamente contribuímos com tais iniciativas, visto que investimos mais de US$ 21 bilhões em P&D no último ano e somos a empresa que mais solicita patentes no mundo por 6 anos consecutivos, de acordo com os rankings da Organização Mundial de Propriedade Intelectual (WIPO).

Mirella Cordeiro: Embora os riscos aumentem com o 5G, também é verdade que o 5G é a rede mais segura de todas as gerações anteriores. Como comunicar essa informação para a indústria e para as autoridades?

Marcelo Motta: Sim, por padronização a tecnologia 5G é muito mais segura que a 4G. Agora, além da conectividade da 5G, os riscos do espaço cibernético aumentam à medida em que tudo se digitaliza e mais aplicações e sensores se agregam a este ecossistema. 

Logo, há uma multiplicidade de atores neste espaço e a abstração do modelo em quatro camadas ajuda a endereçar os riscos de cibersegurança nela presentes: camada de dispositivos de internet das coisas, camada de conectividade, camada de computação e camada de aplicações.

Por exemplo, atualmente a maior parte dos problemas de vazamento de dados acontecem na camada de aplicações, e não na camada de conectividade. E fraudes acontecem por meio da manipulação da operação dentro dos sistemas digitais existentes.

Pouco a pouco as autoridades tomam consciência disto, o que de fato ajuda na definição de ações preventivas, educativas e corretivas.

Costumamos dizer que cibersegurança é uma responsabilidade compartilhada visto a enormidade de atores envolvidos. Procuramos contribuir com a indústria de forma geral e com todo ecossistema local, por meio de cooperação e também de transferência tecnológica.

Leia também: O país de origem não afeta a segurança dos equipamentos, diz Sun Baocheng, CEO da Huawei

Mirella Cordeiro: Como você compara a segurança de uma rede WiFi versus uma rede 5G?

Marcelo Motta: A rede 5G tem mecanismos de segurança e proteção de privacidade muito superiores e mais robustos que os de uma rede WiFi, a começar pela existência do SIM card para autenticação. Mas há outros aspectos como criptografia no plano de dados e de controle, segurança na interconexão com outras redes, etc.

Mirella Cordeiro: Como é a receptividade das empresas e dos governos no Brasil em relação aos produtos e serviços Huawei? 

Marcelo Motta: Estamos no país há 24 anos e contribuímos decisivamente na construção da infraestrutura de banda larga fixa e móvel, por meio de parcerias de longo prazo com as maiores operadoras de telecomunicações e também os pequenos provedores de serviços de internet espalhados por todo o Brasil. Atendemos também a empresas e governos, com soluções de conectividade, armazenamento e processamento de dados e infraestrutura de TIC de forma geral.

Ao longo desses anos, estabelecemos uma ótima relação com o governo e sempre nos comunicamos e contribuímos com inovação e capacitação, benefícios de longo prazo para todo o ecossistema local.

A aceleração do processo de transformação digital permitirá mais benefícios ainda, como o potencial de desenvolvimento local de um novo mercado de integradores e desenvolvedores de aplicações.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies