Estudantes brasileiros sofreram com falta de equipamentos e acesso à Internet durante pandemia

Leer en español

As escolas brasileiras adotaram diversas formas para continuar as atividades pedagógicas durante a pandemia de Covid-19, em 2020, por meio de agendamento para os pais buscarem os materiais impressos nas escolas (93%), criação de grupos em aplicativos ou redes sociais (91%) e gravação de aulas (79%), segundo a pesquisa TIC Educação 2020, do Comitê Gestor da Internet (CGI.br), divulgada nesta terça-feira, 31.

Mas as alternativas foram acompanhadas de desafios, sendo o maior deles as dificuldades enfrentadas pelos pais e responsáveis para apoiar os alunos nas atividades escolares (93%) e, em seguida, a falta de dispositivos – computadores e celulares, por exemplo – e acesso à Internet nos domicílios dos alunos (86%), problema que afetou principalmente os estudantes de escola pública (93%).

“Os dados desta edição da pesquisa mostram claramente que escolas, educadores, pais e alunos buscaram formas de se adaptar ao novo cenário, enfrentando problemas de infraestrutura e conectividade para seguir com as atividades pedagógicas durante a pandemia”, afirma Alexandre Barbosa, gerente do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br).

Escolas

A pesquisa revelou que, antes da pandemia, apenas 21% das escolas ofertavam conteúdos e atividades remotas para os alunos. No ano passado, 87% das escolas adotaram pelo menos uma atividade com o uso de tecnologias

O número foi puxado principalmente pelas instituições da zona urbana, onde a adoção de tecnologias chegou a 96%. Já na área rural, o número foi de 69%.

Conectividade nas escolas

O levantamento também trouxe informações sobre a conectividade nas escolas. Em todo o Brasil, 82% das instituições possuem acesso à Internet. Sendo que, na área urbana, esse número chega a 98% e, na área rural, 52%.

A região Norte do Brasil é a mais prejudicada, com apenas 51% das escolas com conectividade, seguida pelo Nordeste, com 77%. As regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste possuem 94%, 97% e 98% de escolas com Internet, respectivamente.

Entre as escolas sem acesso à internet, os maiores motivos para a ausência de conexão foram a falta de infraestrutura na região (74%) e a falta de infraestrutura na escola (71%).

Quanto à presença de dispositivos digitais, a maior parte das escolas possuem computadores de mesa (91%) ou computadores portáteis (79%). Os equipamentos estão menos presentes nas escolas localizadas em áreas rurais: 76% delas possuem computador de mesa e 65% possuem computador portátil, 37% não contam com nenhum dispositivo.

“O grande desafio é garantir a disponibilidade de dispositivos digitais para uso pedagógico, tanto no que diz respeito à presença de equipamentos quanto à quantidade e condição de conectividade desses dispositivos”, explica Barbosa.

Leilão do 5G

O leilão do 5G pode melhorar o número de instituições com acesso à Internet, já que o Tribunal de Contas da União determinou à Agência Nacional de Telecomunicações que inclua compromissos relacionados à cobertura de escolas para as empresas vencedoras da licitação.

Somente com essa política, o produto interno bruto brasileiro poderia crescer 3,8% até 2025, segundo um estudo da Economist Intelligence Unit (EIU).

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies