Reclamações sobre cancelamento caem após fiscalização regulatória da Anatel

Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) concluiu o processo de fiscalização regulatória sobre o tema cancelamento, que teve como objetivo reduzir as dificuldades do consumidor para encerramento de contrato nas principais prestadoras do setor.

Antes do início do processo, a Anatel notava tendência de alta referente a duas situações:

  • o consumidor não conseguia registrar pedido de cancelamento de serviço; e
  • o cancelamento do serviço não era realizado.

Com a implementação das ações, o número de reclamações sobre cancelamento caiu 67% em relação a 2018, quando teve início o procedimento.

Fiscalização regulatória

Conduzido pela Superintendência de Relações com Consumidores, o processo de fiscalização regulatória sobre o tema cancelamento seguiu o modelo de atuação responsiva, buscando a reparação voluntária e eficaz de problemas identificados pela Agência, por meio da cooperação e do diálogo com a prestadora.

A partir das ações implementadas pelas prestadoras, foi possível melhorar a experiência dos consumidores na solicitação de cancelamento do contrato, num processo mais simples e efetivo, inclusive sem a intervenção de um atendente.

As prestadoras Claro, Oi e Vivo adotaram medidas para facilitar o cancelamento do contrato pelo consumidor, por meio de opções no primeiro menu do atendimento telefônico ou no site, onde também é possível consultar informações sobre valores residuais, multas ou fidelização.

Com isso, o consumidor pode realizar a solicitação sem a imposição de obstáculos cadastrais, técnicos ou burocráticos e sem ser induzido a desistir da opção automática de cancelamento por meio de repetições de mensagens ou opções ou solicitação de reiterações desnecessárias.

Resultados

Como nem sempre a atuação propositiva das operadoras corresponde ao objetivo do processo – e nem sempre o resultado do processo é positivo para as partes –, por vez se faz necessária uma atuação mais enérgica.

A Sky descontinuou o diálogo com a Anatel em 2020, embora seu processo tenha colhido frutos que provieram do trabalho desenvolvido com a atuação responsiva.

Já a Tim, em 2022, não conseguiu se adequar às negociações para o serviço de telefonia móvel, quando foi necessária a fiscalização in loco da prestadora. Em 2023, a Anatel passou a observar variações nas reclamações de cancelamento nos serviços fixos da prestadora, o que gerou a necessidade de fiscalização in loco também nesses serviços.

Devido à falta de engajamento na dinâmica de responsividade, a Tim foi submetida às regras do processo administrativo sancionatório.

A figura abaixo resume como se deu o encerramento do acompanhamento do tema ‘Cancelamento’ de cada prestadora.

fiscalizacao_regulatoria.png

A Anatel segue monitorando as reclamações sobre cancelamento.

Informações Anatel

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies