DGO aposta em provedores de Internet regionais para ganhar escala

O mercado de streaming no mundo já tem mais de 1 bilhão de assinantes. No Brasil, são mais de 30 milhões de assinantes, segundo apresentou Evandro Marchetto, diretor de Vendas da DGO. Ele acredita que o potencial do mercado de conteúdo é grande no país.

No Encontro Nacional Abrint 2023, o executivo disse que “nunca antes se consumiu tanto conteúdo como a gente tem visto e ele tem crescido, como a gente viu nos últimos anos, nas últimas décadas, crescido exponencialmente ano contra ano”.

Antes, o conteúdo era muito concentrado no conteúdo linear das TVs por assinatura, “que ainda tem um papel relevante, mas ele tem acelerado muito dentro dos meios digitais”.

“É nesse aspecto que o DGO se diferencia. É como um grande hub de conteúdos, que consegue agregar os conteúdos de várias plataformas, de vários programadores, dentro de uma solução única, o que facilita a experiência do cliente”, comentou Marchetti à DPL News.

Assim como em outros países, no Brasil a DGO também aposta nos provedores de Internet regionais (ISPs). “A banda larga tem crescido no Brasil através dos ISPs, que foram cumprindo um papel que muitas das operadoras não cumpriam em determinadas regiões”.

Dados mais recentes da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) mostram que, juntas, as prestadoras de pequeno porte são o principal player para levar banda larga fixa aos brasileiros, com 51% de participação de mercado.

“Ou seja, não há como construir mercado e chegar a um público consumidor mais amplo sem trabalhar as parcerias”, disse o executivo. “A gente tem aí um mar super azul para navegar, com um serviço complementar de relevância”.

A ideia de parceria é que os provedores passem a oferecer os pacotes de streaming aos seus clientes, com a facilidade de ter tudo em uma única fatura, por exemplo.

Isso também serve como um diferencial para os ISPs. “Quem não entrar de cabeça na guerra de conteúdo para aumentar o valor do produto final, vai estar em apuros, porque a competição [entre ISPs] vai avançar e vai deixar clientes e receitas pelo caminho”, concluiu.