MCTI anuncia R$ 180 milhões para pesquisa em 5G, 6G, Open RAN e tecnologias imersivas

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) anunciaram nesta quarta-feira (24), em evento realizado em Brasília, o investimento de R$ 180 milhões em três instituições selecionadas para formar Centros de Competência no desenvolvimento de pesquisas em 5G e 6G, tecnologias imersivas aplicadas a mundos virtuais e Open RAN (Open Radio Access Networks).

As três organizações selecionadas são o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPQD), em Campinas (SP); o Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), em Santa Rita do Sapucaí (MG); e o Centro de Excelência em Inteligência Artificial da Universidade Federal de Goiás (CEIA-UFG), em Goiânia (GO).

Cada um dos três Centros de Competência receberá o investimento de R$ 60 milhões, oriundos do Programa Prioritário PPI IoT/Manufatura 4.0, que vão ser aplicados em um período de 42 meses em ações que combinam ampliação e fortalecimento de competência científica e tecnológica em pesquisa, desenvolvimento e inovação; formação e capacitação de recursos humanos; atração e criação de startups.

Esse modelo é inédito no país, e a previsão é que outros seis Centros de Competência sejam anunciados em todo o Brasil ainda este ano.

“Os Centros de Competência vão construir conhecimento e criar pontos de referência para as pesquisas em áreas de tecnologias de fronteira, cujo desenvolvimento é estruturante e estratégico para o posicionamento do país na economia mundial. Queremos inserir de vez o Brasil dentro do mapa desse novo ecossistema de inovação e em posição de destaque para as pesquisas”, afirmou o presidente interino da Embrapii, Igor Nazareth.

A ministra da Ciência, Tecnologia e Inovação, Luciana Santos, ressaltou que a iniciativa vem para apoiar o desenvolvimento de soluções tecnológicas que atendam, principalmente, as diferentes demandas da sociedade.

“A inovação se dá justamente no encontro do conhecimento com as necessidades da sociedade. A ideia é dominar o conhecimento e apresentar soluções para os mais diferentes desafios contemporâneos usando a nossa capacidade criativa. Queremos construir um caminho para que o Brasil se torne referência mundial não só na produção de conhecimento, mas no desenvolvimento de tecnologias, assegurando a autonomia e aproximando nosso país das economias mais avançadas”, pontuou a ministra, durante o anúncio do investimento.

Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPQD)

A instituição vai atuar na temática de Open RAN, que tem como foco o desenvolvimento de tecnologias abertas para infraestrutura de redes de telecomunicações. Atualmente, as redes são dependentes de equipamentos produzidos por poucos fornecedores, que oferecem soluções proprietárias. O Open RAN permitirá que empresas se especializem no desenvolvimento de software e hardware abertos, possibilitando o surgimento de novas empresas no segmento e aumentando a oferta de equipamentos e soluções às operadoras de rede.

“A missão do CPQD é de sempre trazer resultados positivos para nosso país, apostando no desenvolvimento de recursos inovadores para o setor telecomunicações. Como Centro de Competência iremos repassar à indústria e a toda a sociedade o nosso aprendizado e os melhores resultados possíveis. É momento de apresentarmos soluções”, disse o presidente do CPQD, Sebastião Sahão Júnior.

Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel)

O instituto será o Centro de Competência da área de Tecnologia e Infraestruturas de Conectividade 5G e 6G. O Inatel trabalhará na continuidade do desenvolvimento de pesquisas do 5G, a fim de aperfeiçoar a qualidade da rede, e, em paralelo, no desenvolvimento de normas e padrões para a próxima geração de redes móveis, o 6G. A nova tecnologia de rede poderá viabilizar a implementação de aplicações que exigem elevadas taxas de transferência e baixa latência, como transporte autônomos, cirurgias à distância, tecnologias vestíveis, entre outros.

“A iniciativa do MCTI e da Embrapii em criar os Centros de Competência poderá trazer transformações reais e extremamente positivas para nosso país. Há décadas o Inatel é parceiro do Governo Federal. Agora, com esse trabalho conjunto direto, chegaremos a resultados altamente favoráveis à sociedade brasileira”, explicou o coordenador do Centro de Competência do Inatel, Luciano Mendes.

Centro de Excelência em Inteligência Artificial da Universidade Federal de Goiás (CEIA-UFG)

O CEIA-UFG foi selecionado para o Centro de Competência de Tecnologias Imersivas Aplicadas a Mundos Virtuais. Nele serão realizadas pesquisas em tecnologias que visam simular o mundo físico por meio da realidade virtual, gerando um sentimento de imersão, estimulando os sentidos – visão, audição, tato, olfato, paladar – e criando sensações reais.

“Recebemos com muita alegria motivação e senso de responsabilidade em conduzir essa missão pelo país, para que possamos gerar competitividade, emprego e renda para todo o ecossistema de pesquisa e inovação na área de Inteligência Artificial aplicada a imersão em mundos virtuais”, afirmou a diretora-executiva do CEIA-UFG, Telma Woerle Soares.

*Informações do MCTI

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies