lunes, enero 30, 2023
HomeDPL NEWSVivo lança projeto para integrar redes móvel e fixa com Cisco e...

Vivo lança projeto para integrar redes móvel e fixa com Cisco e NEC

O objetivo do projeto é integrar as redes móvel e fixa da Vivo para fornecer um serviço mais ágil, antes da implementação do 5G em todo o país

Leer en español

A Vivo, com o apoio da Cisco e da NEC, está implantando uma rede de transporte IP adaptada ao 5G para integrar suas redes móveis e fixas. A iniciativa faz parte do seu projeto Fusion Network.

Segundo as empresas, o Fusion é uma plataforma para incorporar os serviços em uma única infraestrutura de rede, “oferecendo serviços avançados de comunicação e transformando a experiência do cliente”. O objetivo é fornecer uma rede mais ágil, escalável e flexível, com maior confiabilidade para usuários residenciais e empresas na era 5G por meio da simplificação e automação.

Além disso, Cisco e NEC implementam o Segment Routing IPv6 no Fusion para permitir uma arquitetura unificada com recursos de fatiamento de rede.

Leia também: 5G: Como a convergência de redes fixa e móvel vai melhorar o seu home office

“Com base em nossa parceria com a NEC, temos o prazer de permitir que a Vivo forneça conexões mais rápidas e contínuas por meio de uma rede mais moderna e simplificada”, diz Shaun McCarthy, vice-presidente de vendas mundiais do Mass Infrastructure Group na Cisco.

A Cisco será responsável por fornecer equipamentos como roteadores das séries ASR 9000 e NCS 540 para transporte IP, Cisco Network Controller como solução SDN (rede definida por software, na sigla em inglês) e Cisco Crosswork Hierarchical Controlador, que permite a automação de vários fornecedores e várias camadas da rede Fusion. A companhia também atuará como consultora.

Já a NEC será o principal integrador de rede e fornecerá recursos de engenharia local com serviços de transformação 5G xHaul (solução de rede óptica e sem fio convergente).

A integração será feita em todas as redes da Vivo antes do lançamento do 5G em cada localidade, noticiou o portal Valor. O plano é executar o projeto em três anos, sendo que na primeira fase – IP Fusion – acontece a integração da infraestrutura, com simplificação e padronização das redes, criando as “avenidas” para o transporte de dados. A segunda parte, iFusion, é a colocação dos sistemas de inteligência, automação, serviços de telemetria em tempo real para detectar falhas, entre outros.

Mirella Cordeiro
Mirella Cordeiro
Editora, jornalista de temas digitais, de telecomunicações e tecnologia e correspondente da DPL News no Brasil e em português.

LEER DESPUÉS