Tendência da tecnologia é personalizar a aprendizagem, diz OCDE

Bogotá, Colômbia.- Um estudo da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) com crianças entre 10 e 15 anos revelou uma tendência curiosa: os adolescentes de 15 anos têm mais dificuldade em aprender do que as crianças de 10. Isso ocorre porque métodos engessados de ensino suprimem a criatividade inerente ao ser humano.

“Talvez usemos mal a energia da criatividade do século XXI. E podemos aproveitar a tecnologia para fazer coisas de maneira diferente”, disse Andreas Schleicher, diretor de educação e habilidades da entidade, no LAC ICT Talent 2023.“ A pandemia acordou as escolas para transformar radicalmente a aprendizagem”.

O especialista explicou que a educação tradicional pode prejudicar habilidades cruciais para o século XXI, ao contrário do uso da tecnologia, que pode tornar a aprendizagem divertida com ambientes de aprendizado baseado em jogos, inteligência artificial e realidade virtual (VR).

Embora alguns dos métodos, como jogos, já sejam aplicados em muitas escolas do Brasil, por exemplo, para alcançar esse patamar, existe a necessidade de governos e educadores colaborarem para criar um ecossistema inovador e ético, com planejamento e investimentos que permitam o desenvolvimento de habilidades digitais para navegar no mundo atual.

A modificação de currículos escolares, foi um dos pontos abordados por diferentes atores que falaram no evento, defendendo a aprendizagem digital desde os primeiros anos. Contudo, para além dos desafios comuns na América Latina, cada país da região possui suas especificidades e estão em níveis diferentes de maturidade digital, o que torna o “mundo ideal” de Schleicher, distante da realidade de muitos deles.

Quanto à inteligência artificial (IA) e, apesar dos riscos de vieses e falta de regulação a nível mundial, esta pode dar aos professores análises de aprendizado poderosas para ajudá-los a entender como cada aluno aprende de forma diferente. A tecnologia na formação de pessoas, proporciona personalização e esta é uma das grandes promessas, ressalta Schleicher.

“Abraçar essa diversidade de estratégias de aprendizado com práticas pedagógicas diferenciadas, proporcionará experiências incríveis com IA adicionada a essa mistura”, concluiu.