Rede privativa 4G LTE implantada pelo CPQD leva conectividade a produtores rurais do interior paulista

A implantação de uma rede privativa 4G LTE para prover conectividade ao Distrito Agro Tecnológico (DAT) do Projeto SemeAr em São Miguel Arcanjo, no interior de São Paulo, vem trazendo diversos benefícios para um grupo de mais de 40 pequenos produtores rurais que participam dessa iniciativa. Em operação desde julho do ano passado, o DAT de São Miguel Arcanjo tem as atividades coordenadas pelo CPQD, um dos parceiros do Projeto SemeAr – que tem como foco a transformação digital do agronegócio, por meio de soluções voltadas a demandas reais dos pequenos e médios produtores rurais.

Para isso, a conectividade é um requisito fundamental. Como responsável pelo DAT de São Miguel Arcanjo, o CPQD definiu um plano de conectividade para essa área – uma espécie de “super fazenda digital” – que envolve a integração de várias tecnologias de comunicação sem fio. Entre elas, uma rede privativa 4G LTE operando na frequência de 250 MHz, que foi implantada utilizando equipamentos da Trópico e a solução C2n, core de rede convergente 4G/5G desenvolvido pelo CPQD.

“O C2n é uma solução destinada a reduzir o custo total de propriedade (TCO) de projetos de redes privativas 4G e 5G, de modo a suprir a necessidade de conectividade de vários segmentos de mercado, entre eles o agronegócio”, afirma Tatiana Mesquita, responsável pelo marketing do C2n no CPQD. “É uma solução flexível, robusta e com custo compatível com a realidade do país”, acrescenta.

Em São Miguel Arcanjo, a rede privativa foi implantada em parceria com um provedor local de internet, adotando uma arquitetura híbrida que integra as tecnologias 4G LTE e Wi-Fi. Com a conectividade, um grupo de 43 produtores rurais de pequeno porte passou a ter acesso a serviços e soluções digitais oferecidos por empresas e startups. Uma das soluções em uso é uma plataforma de marketplace digital que conecta os produtores diretamente com o varejo, eliminando atravessadores e garantindo melhores condições à comercialização de seus produtos – o que se reflete em aumento do faturamento.

Outro benefício trazido pela conectividade proporcionada pela rede privativa 4G está no uso de sensoriamento associado a maquinário de alto valor agregado – como tratores, por exemplo. “O sensoriamento de tratores possibilita o compartilhamento desses equipamentos, até então inacessíveis ao pequeno e médio produtor rural”, observa Tatiana. “Além disso, a partir da coleta online de dados de localização dos tratores, é possível planejar melhor o trajeto a ser percorrido por essas máquinas, o que melhora a logística e ainda permite reduzir o consumo de combustível”, completa.

O Projeto SemeAr conta com recursos do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (FUNTTEL), gerenciados pela Finep. A iniciativa vem sendo conduzida pelo CPQD em parceria com a EMBRAPA, Instituto Agronômico de Campinas (IAC), Instituto de Economia Agrícola (IEA), entre outras instituições.

*Com assessoria de imprensa.