Recursos da venda da Oi Móvel serão usados para investir em fibra óptica e reduzir dívida da Oi

Leer en español

As duas empresas mais beneficiadas com a venda da Oi Móvel – Oi e TIM – parecem satisfeitas com a decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), mesmo com a novidade de que os remédios concorrenciais devem ser aplicados antes da conclusão do negócio.

Em nota, a Oi afirmou que “os remédios adotados pelo Cade, juntamente com os já impostos pela Anatel em sua anuência prévia e com a ampla regulação setorial, afastam quaisquer preocupações concorrenciais decorrentes da operação, reduzindo barreiras à entrada e permitindo a expansão de novos competidores ao longo do tempo”.

A empresa afirmou que a autorização da venda constitui uma importante etapa de seu processo de recuperação judicial. Os recursos gerados pelo negócio serão usados para a execução do novo Plano Estratégico da Oi, que tem o objetivo de fortalecer sua atuação no mercado de fibra óptica e atuar no modelo de atacado por meio da V.tal.

A companhia ainda listou uma série de benefícios como consequência da venda, como a redução da dívida da Oi, servindo de fonte para pagar o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal; e mantém a empresa no mercado de telecomunicações, tornando-a um competidor mais saudável.

“Somos um grupo que gera 91 mil empregos diretos e indiretos no país e tem uma série de compromissos assumidos com os credores. A aprovação de mais esta etapa nos dá a segurança necessária para continuarmos seguindo na execução do nosso plano e construindo um futuro sustentável para a companhia”, afirma o presidente da Oi, Rodrigo Abreu.

TIM

A TIM entendeu que os condicionantes levaram a um “equilíbrio entre criação de valor e mitigação das preocupações concorrenciais para o setor”, pois podem ser utilizados por novos entrantes e operadoras de menor porte, ao mesmo tempo em que não afeta o objetivo da TIM de fortalecer sua infraestrutura, diminuindo a disparidade de capacidade espectral em relação aos principais concorrentes.

“Para TIM e seus acionistas, os benefícios se materializarão por meio de geração de receitas incrementais e eficiências em virtude de sinergias operacionais. Para nossos clientes atuais e aqueles da Oi Móvel que passaremos a servir, haverá uma significativa melhoria na experiência de uso e qualidade do serviço prestado a partir de uma infraestrutura mais robusta”, garantiu a empresa.

Copel e Sercomtel

Por sua vez, Copel e Sercomtel, operadoras regionais que eram contra a operação da maneira que foi proposta pela Claro, TIM e Vivo, informaram que respeitam a decisão do Cade e que aguardam a divulgação dos termos e dos votos de todos os conselheiros para se manifestarem com maior clareza.

O Cade aprovou a venda da Oi Móvel para Claro, TIM e Vivo na tarde desta quarta-feira, 9, com uma votação apertada de 3 a 3, que foi decidida pelo presidente do Conselho, Alexandre Cordeiro. Os conselheiros acataram a proposta mais recente das compradoras e impuseram que os remédios concorrenciais – como a oferta de estações rádio base e roaming nacional – devem ser aplicados antes do fechamento da operação.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies