miércoles, septiembre 28, 2022
HomeDPL NEWSPresidente da Claro vê “mar de sangue” no mercado brasileiro de banda...

Presidente da Claro vê “mar de sangue” no mercado brasileiro de banda larga

Para José Félix, da Claro Brasil, ofertas de banda larga insustentáveis podem levar a “surpresas” no mercado.

Leer en español

O presidente da Claro no Brasil, José Félix, afirmou nesta semana, durante o Painel Telebrasil, que a empresa tem uma estagnação na banda larga. Ele acredita que as residências no país são altamente penetradas e que esse serviço começa a ser um desafio para as empresas de telecomunicações.

“Basta ver os preços que estão sendo praticados na banda larga, é um “mar de sangue”. São ofertas inacreditáveis que não têm retorno financeiro. Amanhã ou depois, vamos começar a ter surpresas novamente no mercado em razão da falta de sustentabilidade de algumas operações”, comentou.

Félix também disse que a Conexis Brasil Digital terá o desafio de nivelar os números de penetração da banda larga, que ele acredita estar aquém da realidade. O executivo assume a presidência da associação em julho, substituindo Alberto Griselli, CEO da TIM Brasil.

Relacionado: Claro lidera três de quatro serviços de telecomunicações no Brasil

Segmento móvel, TV por assinatura e empresas

Se a banda larga está estagnada, o segmento móvel tem sido o motor de crescimento da Claro no país, com avanço de dois dígitos, comentou Félix. Já pelo lado da TV por assinatura, o executivo explicou que, desde o “fenômeno Netflix”, a companhia tem buscado encontrar sua posição na cadeia de entrega de conteúdo.

“Recentemente, a gente lançou a Claro TV+, que, mais do que um produto, é um conceito. Tem entrega moderna de conteúdo, inclusive usando integração com Alexa, tem app, tem box, tem uma entrega mercantil, se você quiser, e tem auto instalação”, disse.

A avaliação de Félix em relação aos produtos voltados para empresas é de que a Claro está indo bem, “porque é onde enxergamos uma facilidade maior para o processo criativo, como Cloud e segurança. A gente tem navegado bem e entrado nesse nicho de mercado que antes não pertenciam às teles”.

Por fim, ele disse que o Brasil é um país desafiador pela grande desigualdade. “Quando você olha o país, ele é gigante, mas quando você pega aquela parte da população que realmente pode pagar por serviços diferenciados e com uma qualidade maior, ele se torna um país pequeno. Isso gera um desafio gigantesco para empresas de capital intensivo como as nossas”.

Mirella Cordeiro
Mirella Cordeiro
Editora, periodista de temas digitales, telecomunicaciones y tecnología y corresponsal de DPL News en Brasil y lengua portuguesa. Editor, jornalista digital, de telecomunicações e tecnologia e correspondente do DPL News no Brasil e em português.

Publicidad

LEER DESPUÉS