Por dia, quase 135 milhões das transações bancárias são feitas via PIX

No entanto, Banco Central afirma que circulação de dinheiro em espécie segue em crescimento

O PIX, meio de pagamento instantâneo, registrou 134,8 milhões de transações ao final da primeira semana deste mês de julho. Ainda assim, a diretora de administração do Banco Central (BC), Carolina Barros, afirmou durante a LiveBC, no dia 7, que o dinheiro em espécie em circulação segue em crescimento, mesmo com a popularização dos pagamentos pelos meios digitais.

No entanto, dados divulgados próprio BC no estudo Evolução dos Meios Digitais para a Realização de Transações de Pagamento no Brasil, é possível perceber que as mudanças comportamentais dos bancarizados, especialmente por conta da pandemia de covid-19, os fez utilizar cada vez menos dinheiro físico. Em 2019, os saques de dinheiro em caixas eletrônicos e agências somaram R$3 trilhões. Em 2020, em plena pandemia e lockdown, o total caiu para R$ 2,5 trilhões. Mas em em 2021 e 2022 já com as vacinas, caiu um pouco mais para R$2,1 trilhões.

Leia também: Reconhecimento facial endossa preconceito algorítmico, afirmam especialistas

Em 2022, o PIX foi a principal forma de pagamento usada pelos brasileiros, atingindo 29% de todas as transações registradas. Em 2021, foi de 16%. O sistema de pagamentos instantâneos foi implementado no fim de 2020, com o objetivo de aumentar a digitalização das transações financeiras. 
Carolina Barros explica que de 2021 para cá, há cerca de R$340 bilhões em circulação em termos de volume financeiro, seja no formato de papel-moeda ou da moeda em si.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies