Oi conclui venda do controle da V.tal para BTG Pactual

Leer en español

A Oi anunciou na madrugada desta sexta-feira, 10, o fechamento da operação da V.tal. O BTG Pactual vai pagar R$ 12,923 bilhões por 57,9% da V.tal, ficando com o controle da empresa de rede neutra. Além disso, foram acordados ajustes no contrato, que podem elevar a participação do BTG na V.tal para até 65,27%.

Segundo a Oi, foram extensas negociações sobre as condições da operação. No final, as partes concordaram em ajustar o contrato de provimento de capacidade FTTH “para refletir condições comerciais mais favoráveis à Oi no preço mensal por HC (casa conectada, na sigla em inglês) e no índice de reajuste aplicável, tornando, em contrapartida, os serviços mais competitivos”.

Relacionado: Anatel aprova transferência do controle da V.tal para BTG Pactual

Passo a passo

Na data de fechamento, o investidor pagou a parcela primária, de R$ 1,776 bilhão, e a parcela secundária, de R$ 8,010 bilhões, que pode ser quitado em até três parcelas, sendo R$ 4,261 bilhões pagos nesta data e o restante a ser pago até o final de 2023.

“Desta forma, nesta data, imediatamente após o fechamento, o Investidor passou a deter 51% das ações representativas do capital social total da V.tal, e a Oi, 49% das mesmas ações”, informou a empresa.

A segunda etapa da operação acontecerá em até 90 dias após a data de fechamento. Nesse momento, o investidor terá como compromisso a parcela primária adicional I, de R$ 1,258 bilhão; a incorporação da Globenet por R$ 1,518 bilhão; e a parcela primária adicional II, de R$ 360 milhões.

Adicionalmente, a V.tal será responsável por pagar Créditos Dividendos Telemar no valor de R$ 2,721 bilhões em até 90 dias.

“Os Acionistas do Investidor passarão a deter, antes de quaisquer ajustes de preço, ações representativas de 57,9% do capital social votante e total da V.tal”, pelo preço de R$ 12,923 bilhões.

Leia também: Oi apresenta nova marca de fibra, a primeira de rede neutra do mercado brasileiro

Ajustes

O fato relevante esclarece que as companhias também assinaram contratos de provimento de capacidade e outros contratos operacionais, além de “concordarem em efetuar ajustes de preços limitados a 7,38% do total de ações representativas do capital social total e votante da V.tal, a serem realizados em favor da participação do Investidor”.

Com isso, será feito um ajuste de até 3,65% do capital social da V.Tal em até 30 dias e, em 31 de julho de 2023, um ajuste de participação de até 3,73%, “em função da aplicação e apuração das condições mais favoráveis para a Oi negociadas no contrato FTTH”.

Esses aditivos podem elevar a participação do BTG na V.tal para até 65,27%.

Outras mudanças em relação ao primeiro contrato mantêm os equipamentos de casa de cliente com a Oi, o que “permite que a Oi controle a experiência na localidade e permite novos modelos de negócios com os clientes”, explicou Rodrigo Abreu, CEO da companhia, em conferência ao mercado na manhã desta sexta-feira.

O informe da Oi revelou que “serão realizados também, conforme previsão da Cláusula 10.9 do Acordo de Investimentos, ajustes adicionais de caixa, relativos à contabilização das operações da V.tal no modelo “locked box” (resultados de caixa atribuídos ao Investidor a partir do início do exercício 2022), a serem realizados via aporte de caixa da Oi na V.Tal”.

Por fim, a empresa comunicou que quitou os compromissos das debêntures da primeira emissão da V.tal, no valor atualizado de R$ 3,526 bilhões, “cujo pagamento foi efetuado com recursos provenientes da Parcela Secundária, que foram aportados pela Oi na V.tal, e utilizados para a recompra das ações preferenciais da V.tal que passaram a ser detidas pelos Debenturistas após a conversão das debêntures em ações da V.tal”.

Expectativa

Para a Oi, a conclusão desta operação representa a implementação da “última etapa crítica do Plano de Recuperação Judicial e do Plano Estratégico de Transformação”. A expectativa da companhia é se beneficiar da valorização da V.tal no futuro.

“Esperamos valorização significativa das ações da V.tal, com potencial de gerar liquidez ou capacidade adicional de refinanciamento de nossas obrigações no prazo de 2 a 3 anos”, disse Abreu.

Ele também acredita que a V.tal vai expandir seu valor em termos de crescimento e na capacidade de atrair mais clientes. “A V.tal é candidata relevante para abertura ao mercado e isso vai apoiar os planos do novo controlador, além do crescimento significativo do negócio no curto prazo”.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies