Nova Lei das Antenas de São Paulo é sancionada

A nova Lei das Antenas da cidade de São Paulo (Lei 17.733/22), que simplifica o licenciamento das estações rádio-base (ERBs), foi sancionada pelo prefeito Ricardo Nunes nesta semana.

Segundo o governo, a legislação deverá ampliar o sinal de Internet nas regiões periféricas do município, onde há pouca ou nenhuma conectividade, e reduzir a exclusão digital. O texto foi construído em conjunto entre o poder Executivo, o poder Legislativo e empresas de telecomunicações.

A nova lei oferece incentivos e condições diferenciadas para a instalação de antenas em secretarias de educação e de saúde das periferias. Com isso, a expectativa é que mais alunos possam usufruir do ensino à distância e, no caso da saúde, os prontuários e agendamentos eletrônicos sejam mais utilizados, por exemplo.

A norma também permite que as ERBs sejam instaladas em qualquer rua, independentemente da sua largura – a lei anterior só permitia a instalação em ruas com o mínimo de 10 metros de largura –; abre possibilidade de instalação em imóveis tombados, desde que tenha permissão dos órgãos competentes; e permite colocar ERBs móveis e mini ERBs em túneis, viadutos, postes de iluminação pública, câmeras de monitoramento, entre outros equipamentos, sem necessidade da licença do município.

A flexibilização da legislação vem em momento oportuno, já que as empresas vencedoras do leilão do 5G devem ativar o sinal em todas as capitais do Brasil até julho deste ano, e a tecnologia da quinta geração exige mais antenas do que o 4G para funcionar de forma satisfatória.

No ano passado, o ex-presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Leonardo Euler de Morais, chegou a lançar uma carta às autoridades municipais pedindo que revisem suas legislações, tendo em vista o 5G.

Além de São Paulo, outras capitais que já modernizaram suas leis são Brasília, Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre. 

Visão das torreiras

De acordo com Luciano Stutz, presidente da Associação Brasileira de Infraestrutura para Telecomunicações (Abrintel), o setor recebeu “com entusiasmo” a sanção da nova legislação. “A lei, que começará a ter aplicabilidade a partir ainda do seu Decreto regulamentador, tem um texto moderno, traz avanços importantes sobre a normativa antiga de 2004 e vem acompanhado de um mecanismo de incentivo de cobertura para a periferia da cidade”, afirmou, em nota, à DPL News.

Entretanto, alguns pontos merecem atenção, como a falta de detalhamento quanto ao processo de regularização das infraestruturas já implantadas e a regulamentação do processo de cadastramento das estruturas de pequeno porte. Para Stutz, isso faz com que seja necessário continuar o debate com a prefeitura.

Por fim, ele afirmou que a lei ainda traz algumas particularidades da cidade, “como a ambígua e abrangente definição de estrutura de pequeno porte, que acabam afastando a possibilidade desta lei ser tomada como exemplo para outros municípios.”A boa notícia é que o Brasil possui um modelo federal da Lei das Antenas, que pode ser utilizado como referência pelas cidades.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies