Governo promete digitalizar 90% das indústrias brasileiras até 2033

O investimento bilionário priorizará telecomunicações e tecnologias nacionais com recursos do BNDES e do Fust.

O programa “Nova Indústria Brasil”, lançado nesta segunda-feira, 22, pretende impulsionar a digitalização da indústria nacional e o desenvolvimento sustentável até 2033. A iniciativa contempla diversas estratégias para fortalecer setores-chave da economia, como agroindústria, infraestrutura urbana (telecomunicações), tecnologia da informação, saúde, bioeconomia e defesa.

Com um aporte de R$ 300 bilhões até 2026 (R$ 21 bilhões não reembolsáveis), provenientes de financiamentos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos) e da Embrapii (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial), o programa busca alavancar a inovação e a digitalização por meio de seis missões específicas.

Algumas delas incluem:

  • Digitalizar 90% das indústrias brasileiras;
  • Triplicar participação da produção nacional no segmento de novas tecnologias;
  • Priorizar a tecnologia nacional com autonomia de 50% da produção de tecnologias críticas para a defesa.

Leia: 5 regras que o TSE propõe para Uso de IA, lives e impulsionamento nas eleições 2024

Também serão utilizados R$ 4 bilhões do Fust (Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações) com taxa referencial (juros reduzidos) para expansão da banda larga e conectividade, dentro do eixo Indústria Mais Produtiva, que ao total requererá R$ 182 bilhões.

No eixo Indústria Mais Inovadora e Digital, serão investidos R$ 66 bilhões, voltados para a criação do Fundo Nacional de Desenvolvimento Industrial e Tecnológico (FNDIT), entre outras medidas.

A criação da Estratégia Nacional de Datacenters e Serviços de Computação em Nuvem também se destaca, visando atrair investimentos e promover a infraestrutura necessária para o processamento e difusão de dados no país.

Telecomunicações em destaque

Na nova política industrial o setor de telecomunicações ganha certa prioridade. O governo regulamentará o Decreto nº 10.480, de setembro de 2020, o que prevê a colaboração entre as redes de telecom e a implementação conjunta de infraestrutura em projetos de interesse público, como rodovias, ferrovias, sistemas de transporte público e linhas de transmissão de energia.

A retomada dos concursos para as agências reguladoras como a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), é outra medida que visa garantir a qualidade e eficiência dos serviços prestados à população.

Leia também: Investimentos em telecom com Funttel foi de R$ 314 milhões em 2023

Cidades inteligentes

No quesito mobilidade urbana, o programa propõe soluções que incluem o desenvolvimento de sistemas inteligentes para deslocamento de pessoas e cargas, aviação do futuro, economia circular para resíduos urbanos e industriais, e soluções sustentáveis para saneamento e moradia popular.

Além disso, a política visa fortalecer a presença das empresas brasileiras nas cadeias produtivas de energias renováveis, como solar fotovoltaica, termossolar e eólica, incentivando o desenvolvimento tecnológico nesses segmentos.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies