lunes, septiembre 26, 2022
HomeDPL NEWSEAF comprará 1 milhão de kits para próxima fase da migração para...

EAF comprará 1 milhão de kits para próxima fase da migração para banda Ku

A EAF deve lançar uma RFP para adquirir kits até a primeira quinzena de setembro. Antonio Parrini, diretor de operações da EAF, também explicou o processo para limpar a faixa de 3,5 GHz nas capitais.

Leer en español

A Siga Antenado (EAF), entidade responsável pela limpeza da faixa de 3,5 GHz, pretende lançar uma RFP (solicitação de propostas) ao mercado para adquirir os kits de migração da TVRO da banda C para a banda Ku até a primeira quinzena de setembro. Esses kits serão utilizados para a segunda fase do projeto, que atenderá às cidades com mais de 500 mil habitantes.

Se tudo correr bem, a gente lança até a primeira quinzena de setembro. Vou tentar trabalhar para lançá-la no mês de agosto ainda, mas estamos com muitos afazeres em paralelo”, disse Antonio Parrini, diretor de operações da EAF, durante um painel no SET Expo 2022. A expectativa da EAF é comprar um milhão de kits.

À DPL News, Parrini explicou que, a princípio, os kits serão os mesmos utilizados para fazer a limpeza da faixa nas capitais. “Mas algumas especificações podem mudar. Quando essa especificação é mudada, é de acordo com a decisão do grupo de trabalho, que depois é aprovado pelo Gaispi”.

Atendimento às capitais

Na primeira etapa do compromisso – para atender às capitais –, a EAF pediu cotação para todos os fabricantes do mercado e convidou 33 empresas para participarem da adjudicação. Foram escolhidos quatro fornecedores de receptores, seis de antenas, seis de LNBF (conversor) e dois de cabos e conectores. No total, a entidade comprou cerca de 300 mil kits.

“Compramos mais do que o necessário por dois motivos: a gente não tinha certeza da demanda e não tinha certeza da entrega”, comentou.

A logística foi definida na sequência pela EAF, que contratou uma empresa para o centro de distribuição centralizado, uma empresa para transporte do material até as capitais e quatro empresas de instalação.

“Agora estamos trabalhando para ver se mantemos o mesmo modelo ou se fazemos alguma alteração na logística”, disse Parrini.

Outros desafios

Além de iniciar o processo do zero com o prazo apertado, outros desafios da EAF foram a implantação do CRM, que envolve a instalação de software e contratação de empresas para o atendimento ao cliente, por exemplo; e o macroambiente, com crise de semicondutores, lockdown, frete mais caro e operação da Receita Federal na alfândega.

Esses são alguns dos empecilhos que acabaram atrasando a ativação do 5G no 3,5 GHz nas capitais.

A EAF também é responsável por instalar uma rede privativa para o governo federal e seis infovias na região Amazônica. Segundo Parrini, esses compromissos já foram iniciados e estão em fase de projeto.

Mirella Cordeiro
Mirella Cordeiro
Editora, periodista de temas digitales, telecomunicaciones y tecnología y corresponsal de DPL News en Brasil y lengua portuguesa. Editor, jornalista digital, de telecomunicações e tecnologia e correspondente do DPL News no Brasil e em português.

Publicidad

LEER DESPUÉS