Claro, Vivo e Tim sabiam de espionagem da “Abin parelala”

Operadoras teriam conhecimento de invasão de seus sistemas por software espião no esquema da “Abin Parelela”, mas não notificaram a Anatel.

A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) divulgou nota à imprensa na noite desta quarta-feira, 31 de janeiro, informando que instaurou três processos administrativos quanto ao monitoramento dos clientes da Claro, Vivo e Tim por meio do software espião First Mile, contratado pela Abin (Agência Brasileira de Inteligência). A apuração é da Folha de S. Paulo.

Em casos como estes, as operadoras devem, de forma obrigatória, notificar a Anatel, fato que até então não ocorreu e que resultou na própria agência já tendo afirmado anteriormente que as empresas não sabiam da espionagem, uma vez que as mesmas informaram não terem comunicação com a Abin. 

Agora a agência quer investigar se houve colaboração das operadoras com a Abin e se confirmado, elas podem sofrer punições administrativas e, ao que tudo indica, Claro, Vivo e Tim, terão de prestar esclarecimentos à PF na operação “Abin paralela”.

Na nota à imprensa, a Anatel explicou que “a adoção de soluções de segurança não necessariamente se dá por reação a incidentes ocorridos, mas também pode decorrer de medida preventiva e gestão de riscos, que é obrigação decorrente da regulamentação setorial” e informou que requeriu informações à PF que possam contribuir para a continuidade das apurações.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies