Claro inaugura a maior usina de geração distribuída do Brasil

Leer en español

A Claro inaugurou a maior usina de geração distribuída do Brasil. Operada pela RZK Energia, a instalação é movida a biogás e tem autorização para gerar até 4,65 megawatts médios, que irão abastecer 2.991 unidades da operadora, entre torres, datacenters e outras estruturas.

Localizada em Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro, a construção de 700 metros quadrados tem baixa emissão de ruído e é composta por quatro motores que são conectados ao aterro municipal. O local recebe 4.500 toneladas de resíduos de cidades da Baixada Fluminense diariamente.

Segundo a Claro, além de reduzir os custos para o tratamento do lixo, a nova usina vai impedir o lançamento de mais gases poluentes na atmosfera, como o metano. A expectativa é que a queima do biogás evite a emissão de mais de 15.723 toneladas de gás carbônico por ano, o equivalente ao plantio de 122 árvores.

“Estamos empenhados em nos tornarmos praticamente autossuficientes em energia de fonte limpa e, assim, colaborar com a preservação dos recursos naturais”, disse o diretor de Infraestrutura da Claro, Hamilton Ricardo Pereira da Silva.

A Energia da Claro

A iniciativa é parte do programa “A Energia da Claro”, de 2017, que prevê o uso de fontes renováveis e ações de proteção ao meio ambiente em todas as operações e instalações da empresa.

O projeto já conta com usinas em vários estados, como Bahia, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Ceará, São Paulo, entre outros, e no Distrito Federal. Em 2020, o programa alcançou a marca de 40% de geração própria de energia nas unidades de baixa tensão.

Para Luiz Serrano, sócio e diretor da RZK Energia, o investimento privado na produção de energia a partir de fontes livres de carbono é uma tendência que ganha força no Brasil, tanto pelo ganho econômico, como pelo lado sustentável ao não agredir o meio ambiente.

Cenário brasileiro

O investimento de operadoras no modelo de geração distribuída, em que a produção de energia é realizada próximo ao centro do consumo, também é uma forma de proteção contra apagões.

Com 63,8% da energia produzida por hidrelétricas, o Brasil depende de chuvas para seu abastecimento elétrico. No final de maio, o Sistema Nacional de Meteorologia emitiu um alerta de emergência hídrica sobre a escassez de chuvas de junho a setembro deste ano na região da Bacia do Paraná, que abrange os estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná.

Em novembro de 2020, um incêndio fez 13 das 16 cidades do Amapá ficarem sem eletricidade. A emergência fez com que as operadoras compartilhassem recursos para que os clientes tivessem alguma rede para se conectar. Além disso, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) negociou o envio de combustível para abastecimento dos geradores dos principais sites das operadoras no estado.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies