Brasil | Projeto da rede privativa nacional de segurança ainda sem definição

Telesíntese

A rede privativa nacional de segurança nacional não começou a ser feita. O projeto, que será tocado pela EAF, mesma entidade responsável pela limpeza da faixa de 3,5 GHz para chegada do 5G, carece ainda de definições importantes que virão do governo.

Criada por portaria ainda em 2022, a rede promete conectar órgãos públicos com banda larga baseada em fibra óptica com requisitos de segurança acima dos que são praticados no mercado de varejo. Além disso, prevê a instalação de uma rede móvel 4G em Brasília para uso exclusivos dos funcionários do Executivo Federal.

Segundo falou Moisés Moreira, presidente do Gaispi, o grupo presidido pela Anatel que acompanha a entrega dos compromissos assumidos pelas operadoras no último leilão de espectro da agência, Ministério das Comunicações e outras pastas precisa passados dados fundamentais para a construção da rede.