Brasil | Presidente da ANPD defende autoridade como órgão central da IA

Mobile Time

Dados pessoais e inteligência artificial no Mercosul foram os temas debatidos nesta terça-feira, 21, na representação brasileira do parlamento do bloco de países (Parlasul). Tanto os parlamentares quanto os especialistas ali presentes defenderam que seja criada uma legislação específica para a regulação de dados pessoais e de IA.

O senador Nelsinho Trad (PSD-MS) foi o presidente do seminário. Durante o evento, Waldemar Gonçalves Ortunho Junior, presidente da ANPD, defendeu que a Autoridade Nacional de Proteção de Dados seja o órgão central – ou Sistema Nacional de Regulação e Governança de Inteligência Artificial – responsável por implementar, zelar e fiscalizar o uso da tecnologia.

“Acho importante ter um órgão central que vai se relacionar com todas as agências setoriais, e atuar considerando a expertise de cada agência. A ANPD atua de forma transversal. Incluir a IA é algo natural para a ANPD. Claro que teremos que ter um fortalecimento em pessoal e em orçamento, mas isto aconteceria em qualquer outra decisão sobre outra agência. E não justifica que a cada tecnologia uma nova autoridade seja criada”.

Ler mais…

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies