martes, septiembre 27, 2022
HomeDPL NEWSBrasil precisa desenvolver a cadeia de produtos tecnológicos: Luiz Tonisi, presidente da...

Brasil precisa desenvolver a cadeia de produtos tecnológicos: Luiz Tonisi, presidente da Qualcomm

Para Tonisi, melhorar a cadeia de desenvolvimento nacional é essencial para baratear os produtos.

Leer en español

O Brasil precisa desenvolver sua cadeia de produtos de tecnologia para baratear as soluções e massificar, de forma mais rápida, os equipamentos que serão utilizados no 5G. Essa é a visão de Luiz Tonisi, presidente da Qualcomm para a América Latina.

O executivo abordou o assunto nesta terça-feira, 28, durante o Painel Telebrasil. Tonisi comparou o mercado de Internet das Coisas (IoT) com o dos smartphones, que já está consolidado no país. Ele disse que, no Brasil, apenas três marcas de smartphone representam 90% do mercado, isso por causa da quantidade de elementos que precisam ser produzidos em território nacional.

“Como eu vou ter produtos de IoT se eu vou ter que fabricar todos eles no Brasil para ter os mesmos incentivos fiscais do smartphone? Se eu não produzir FWA no Brasil, como eu vou ser competitivo para chegar no [preço do] CTO da fibra? Sobre o óculos do metaverso é a mesma coisa”, afirmou.

Tonisi exemplificou que as operadoras vendem a conexão com algum serviço, mas se não tiver o aparelho para colocar a conexão, não vai ter nada para vender, ou vai estar em um preço que o mercado nacional não tem como pagar. “Então a industrialização dessa cadeia é super importante para o Brasil”.

Relacionado: “A América Latina precisa acelerar a adoção do espectro para 5G”: Luiz Tonisi, presidente da Qualcomm

Ele acrescentou que o país também precisa dar atenção à capacitação da mão-de-obra, porque faltam pessoas especializadas em tecnologia e as empresas acabam tendo que contratar trabalhadores de fora. 

Segundo a visão do executivo, vale a pena investir nas novas tecnologias. Um exemplo disso é que, para lançar um serviço de fibra óptica, alguns técnicos precisam ir até a casa e fazer a instalação. “Talvez eles consigam fazer 2 casas por dia. No FWA, dá para fazer 1 milhão de casas por dia. Coloca o CPE na mão do usuário, tem cobertura, liga na tomada e está pronto, é igual smartphone”.

Por fim, ele convocou os atores: “É um ecossistema, precisamos das operadoras, consumidores, indústria, governo. FWA é só um exemplo do que pode ser feito, mas tem um monte de problema por trás do FWA.”

Mirella Cordeiro
Mirella Cordeiro
Editora, periodista de temas digitales, telecomunicaciones y tecnología y corresponsal de DPL News en Brasil y lengua portuguesa. Editor, jornalista digital, de telecomunicações e tecnologia e correspondente do DPL News no Brasil e em português.

Publicidad

LEER DESPUÉS