Brasil | Einstein usa realidade aumentada para tranquilizar crianças durante tomografia

O Einstein disponibiliza, agora, um jogo interativo para tranquilizar as crianças que passarão por um exame de tomografia computadorizada. Inédito na área de Medicina Diagnóstica Pediátrica, o game de psicoeducação une inteligência artificial (IA) e realidade aumentada para projetar personagens, gráficos ou imagens no mundo real, e entretém e informa a criança desde o momento de sua preparação para o exame até o final do procedimento.

A aventura começa já no vestiário, quando a criança conhece, por meio de um tablet, a enfermeira-robô Madá. Ali, ela pede à criança que a ajude a cumprir alguns desafios, como capturar os blipes, que são pequenos robôs que a auxiliam nessa jornada até a sala de exame. Madá explica sobre como é feita uma tomografia e é capaz de modular a própria voz para acalmar crianças mais ansiosas. Quando chega à sala onde está o aparelho, a criança é surpreendida por imagens dos personagens projetadas no tomógrafo e no teto, e continua interagindo com Madá e seus ajudantes durante todo o procedimento.

A tomografia computadorizada é um exame de imagem em que o paciente deve ficar imóvel para que sejam tiradas “fotos” dos órgãos internos do corpo. Com o decorrer do exame, Madá e os blipes vão dando orientações sobre todos os passos do processo, a fim de acalmar a criança e fazê-la passar pelo aparelho de maneira tranquila, de forma lúdica.

“Embora seja um exame rápido, é sempre um desafio manter as crianças paradas dentro do equipamento, para que não seja necessário repetir o procedimento. A tecnologia, que usa IA e realidade aumentada e foi desenvolvida pela área de Inovação do Einstein em parceria com a Epson, permitirá reduzir o tempo de exposição à radiação, por meio de um processo de psicoeducação”, afirma Rodrigo Demarch, diretor-executivo de Inovação do Einstein.

“A Epson é um dos maiores polos de pesquisa e inovação tecnológica do mundo e nossa cultura corporativa é marcada por estimular a colaboração com projetos regionais da sociedade civil, principalmente na saúde e na educação. Somente desta maneira conseguimos testemunhar as necessidades reais das pessoas e identificar oportunidades de aplicar conhecimento e criatividade para proporcionar melhorias na qualidade de vida. Essa solução inovadora foi criada de forma flexível, podendo ser adaptada para outros espaços de acordo com a necessidade. É gratificante poder aplicar a tecnologia em projetos como este, sobretudo com um parceiro qualificado e comprometido como é o Einstein”, afirma Claudio Galante, gerente da Epson no Brasil.

Os biomédicos direcionam a interação dos robôs com as crianças por meio de um aplicativo instalado no computador do tomógrafo. Conforme o caso, o profissional irá decidir se o paciente vai assistir uma história mais lúdica, no caso de crianças menores, ou se será informado sobre a administração de alguma substância, por exemplo. “Às vezes, há necessidade do uso de contraste ou de sedação, e a própria equipe aciona os robôs para que contem à criança o que está sendo realizado, de forma que a avaliação seja finalizada com sucesso”, explica Demarch.

Além do tablet, usado no vestiário, há projetores na sala de exames. O software, que foi testado e validado por biomédicos que participaram de todas as fases de desenvolvimento e por um time de programadores e desenvolvedores, deve ser ampliado para o setor de imunização, na central de exames e na sala de coleta do hospital, com data a definir.

*Com assessoria de imprensa.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies