Brasil | Cibersegurança é vista como ‘gasto’ e ‘suporte’

Valor – Daniela Braun

Em média, 46% das empresas brasileiras investem até US$ 1 milhão por ano em cibersegurança. A mesma faixa de investimentos à segurança é dedicada por uma parcela bem menor (21%, em média) das empresas de Cingapura e os membros do G7 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido), já que boa parte de seus orçamentos em proteção de sistemas estão na faixa de US$ 1 milhão a US$ 4 milhões anuais.

O comparativo faz parte de um estudo da empresa americana de segurança Palo Alto Networks feito entre abril e junho com 3 mil empresas. Entre os 250 executivos de companhias brasileiras entrevistados, 33% dedicam entre US$ 1 milhão e US$ 5 milhões à segurança da informação. A mesma faixa é destinada, em média, por 50% das empresas dos outros países. A exceção é a Alemanha, onde o orçamento já está em outro patamar: 37% das companhias pesquisadas destinam entre US$ 5 milhões e US$ 10 milhões à blindagem de suas operações.

Além do cenário econômico desfavorável em relação aos outros países pesquisados, o Brasil carece de maturidade na visão de segurança como parte do negócio e não como assunto da área de tecnologia, diz Daniel Bortolazo, gerente de engenharia de sistemas sênior da Palo Alto Networks no Brasil.

Mais informações: https://valor.globo.com/empresas/noticia/2021/09/06/no-brasil-ciberseguranca-e-vista-como-gasto-e-suporte.ghtml

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies