Associações TIC pedem Secretários de formação técnica à ministra do MCTI

Um grupo de 13 associações do setor de tecnologia enviou uma carta aberta à ministra da Ciência, Tecnologia e Inovação, Luciana Santos, na sexta-feira, 13. As entidades pediram que as Secretarias de Ciência e Tecnologia para Transformação Digital e de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação sejam preenchidos por profissionais com perfil técnico.

“Temos um longo histórico de colaboração com o MCTI e suas secretarias, e em especial com a antiga Secretaria de Empreendedorismo e Inovação, que conta com um corpo técnico de excepcional qualidade”, diz a carta.  

A pasta era liderada por José Gontijo, que já atuou na Agência Nacional de Telecomunicações, foi assessor de Inclusão Digital no governo Lula e estava no MCTI desde 2016. Ele foi exonerado na primeira semana de janeiro.

As associações elogiaram a divisão das atividades entre a Secretaria de Ciência e Tecnologia para Transformação Digital e a Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, e sugeriram que os dirigentes das pastas tenham “necessariamente uma formação e perfil técnicos e conhecimento prévio do funcionamento do ministério”.

“Esperamos que as novas lideranças de tais secretarias continuem trabalhando de forma harmoniosa e produtiva com os servidores de carreira, assim como na interlocução com todos os setores do ecossistema digital”.

Por fim, as entidades se colocam à disposição para “continuar colaborando com o MCTI de forma produtiva e com espírito de construção de um ambiente propício à inovação, ao desenvolvimento do setor de bens e serviços de base tecnológica”.

Um estudo da Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação e de Tecnologias Digitais (Brasscom) indica que o mercado brasileiro de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) movimentou R$ 597,8 bilhões em 2021, representando 6,9% do produto interno bruto.

A perspectiva para o período de 2022 a 2025 é de R$ 510,5 bilhões em investimentos em tecnologias de transformação digital e, para infraestrutura, R$ 616,9 bilhões. Isso mostra que a tecnologia tem ganhado maior relevância no país e o objetivo do governo e das empresas do setor é impulsionar a geração de empregos e, consequentemente, de riqueza.

Em sua cerimônia de apresentação, a ministra se comprometeu a trabalhar para que a ciência, tecnologia e inovação sejam pilares do desenvolvimento nacional e para recompor o orçamento. Uma das primeiras medidas será pedir a devolução da Medida Provisória 1136/22 que bloqueia recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico até 2026.

Assinam a carta Abes (Associação Brasileira das Empresas de Software); Abimde (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança); Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica); ABIPTI (Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa); Abradisti (Associação Brasileira da Distribuição de Tecnologia da Informação); Abranet (Associação Brasileira de Internet); Acate (Associação Catarinense de Tecnologia); Anid (Associação Nacional para Inclusão Digital); Anjos do Brasil; Brasscom; Câmara e-Net; Federação Assespro (Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação); e Instituto Brasil Digital.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies