jueves, septiembre 22, 2022
HomeDPL NEWSAnatel vai recorrer da liminar que suspende valores de referência para roaming

Anatel vai recorrer da liminar que suspende valores de referência para roaming

A Anatel vai recorrer da liminar que Claro, TIM e Vivo conseguiram na justiça e que suspendeu os valores de referência para roaming definidos pela Agência. Outra possibilidade é rever a aprovação da venda da Oi Móvel.

Leer en español

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) confirmou à DPL News que vai recorrer da liminar que Claro, TIM e Vivo conseguiram na justiça e que suspendeu os preços de referência para roaming nacional definidos pela Agência. O presidente da Anatel, Carlos Baigorri, disse à Reuters que uma outra possível medida é rever a venda da Oi Móvel.

As operadoras Claro, TIM e Vivo deveriam realizar ofertas de atacado de roaming nacional como um dos remédios pela compra da Oi Móvel. Isso porque a operação concentra ainda mais o mercado de Serviço Móvel Pessoal (SMP), portanto as obrigações definidas pela Anatel e pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) têm o objetivo de dar condições para os operadores regionais competirem na telefonia móvel.

Baigorri acredita que as companhias estão tentando impedir a concorrência no mercado ao interromperem na Justiça o processo de oferta de roaming e afirmou que, caso a situação se estenda, pode prejudicar a implementação do 5G no Brasil, pois as empresas menores que saíram vencedoras do leilão do 5G poderiam se estabelecer no mercado com a oferta de roaming.

Relacionado: Estes são os remédios impostos à Claro, TIM e Vivo pela venda da Oi Móvel

Argumentos dos operadoras

Em seus recursos, Claro, TIM e Vivo questionam a mudança da metodologia utilizada pela Anatel para calcular o valor de referência do roaming nacional e defendem que deveria ter acontecido uma fase de transição. Até esta ocasião, o modelo utilizado era top-down FAC-HCA. Agora, o modelo adotado foi o bottom-up LRIC+.

Outra questão importante é que a metodologia teria levado a valores abaixo do custo das empresas.

Em nota nesta quinta-feira, 21, a TIM declarou que não é contra os remédios de roaming nacional definidos pelas autoridades regulatórias, mas que o objeto do seu recurso “é o fato destes terem sido fixados com base em custos teóricos – portanto, totalmente descolados da realidade operacional – e não com base na detalhada e estruturada contabilidade regulatória que decorre de regulamentação específica e é produzida e auditada a cada ano”.

Enquanto a Anatel não recorre da decisão, estão suspensos os valores de referência calculados pela Agência.

Mirella Cordeiro
Mirella Cordeiro
Editora, periodista de temas digitales, telecomunicaciones y tecnología y corresponsal de DPL News en Brasil y lengua portuguesa. Editor, jornalista digital, de telecomunicações e tecnologia e correspondente do DPL News no Brasil e em português.

Publicidad

LEER DESPUÉS