Anatel testa uso híbrido da faixa de 6 GHz

A declaração foi feita em debate que abrange possível divisão da faixa de 6 GHz e as novas tecnologias de redes wi-fi, durante o evento Abrint Nacional 2024.

São Paulo. Vinicius Caram, superintendente de outorgas e recursos à prestação da Anatel, disse que a agência iniciou os primeiros testes em que 150 cenários diferentes são avaliados para uso de espectro pelas redes wi-fi, em colaboração com a Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica). Ele espera que até o fim do ano saia um relatório final para ser submetido ao Conselho Diretor.

Ele mencionou a realização de testes recentes em Campinas-SP, envolvendo a emulação de portadoras IMT (International Mobile Telecommunications) junto com canais wi-fi 6 E e w-fi 7 em co-canal, para verificar a viabilidade de coexistência entre essas tecnologias.

O relatório resultante destes testes servirá para embasar decisões futuras, incluindo leilões de frequências e a regulamentação de tecnologias avançadas que possam operar na faixa de 6 GHz.

Caram ressaltou que até o momento não existem usuários pessoa física utilizando AP (access points) wi-fi 6 no Brasil, o que motiva uma reflexão sobre a adoção e implementação dessas novas tecnologias.

“Não é que estejamos restringindo a evolução do wi-fi 6 E e 7, estamos discutindo a possibilidade de uso de dois canais como 640 MHz ou 980 MHz, ou quem sabe, futuramente, ter um único canal de 800 MHz ou quase 1 GHz conforme a tecnologia vai evoluindo”, defendeu.

Caram mencionou testes também em ambientes outdoor, confiando no potencial de modelos de negócio que viabilizem o wi-fi 7, eliminando a necessidade de um SIM card e utilizando equipamentos padrão para facilitar a conectividade móvel em áreas urbanas.

Divergências

Cristiane Sanches, presidente do Conselho da Abrint (Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações) destacou que o uso híbrido é “absolutamente difícil” e que decisões sobre o uso outdoor pode prejudicar o uso indoor. Ela defendeu a integralidade da faixa de 6 GHz como crucial e com características únicas que a tornam indispensável para o wi-fi. 

Por sua vez, Martha Suarez, presidente da Dynamic Spectrum Alliance, criticou a ideia de compartilhar a faixa de 6 GHz entre wi-fi e IMT, conforme sinalizou o Brasil e o México ao incluir uma nota de rodapé na WRC-23, contrariando um posicionamento anteriormente acordado em toda a região latina, destacou.

Suarez sugeriu que o uso de parte do espectro para IMT pode limitar o potencial do wi-fi. “Em primeiro lugar, é importante comparar tecnologias, porque falamos de 5G ou de 6G, deixando um pouco de lado tecnologias que já estão na banda. Podemos considerar a faixa de 6 GHz para 6G, o que exigiria limpeza da banda, levando a implicações econômicas e de tempo bastante complicadas”, frisou.

Para ela, é importante considerar os mais de 20 mil links fixos que já ocupam a faixa só no Brasil, segundo dados da Anatel, ao mesmo tempo que é difícil comparar o wi-fi e seu uso hoje, olhando para uma alocação para o 6G que só ocorrerá em 2030. “Na WRC-27” isso será pensado, defendeu.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies