miércoles, noviembre 30, 2022
HomeTECNOLOGÍAAppsA regulação da plataformas deve andar de mãos dadas com a flexibilidade:...

A regulação da plataformas deve andar de mãos dadas com a flexibilidade: Vicente Roqueñí

A inovação na seguridade social deve ir na direção de como se mantém a independência, disse o executivo da DiDi para a América Latina.

Ler em español

Tradução: Mirella Cordeiro

A regulamentação trabalhista na questão da segurança social para entregadores de aplicativos deve estar atrelada à flexibilidade que estes oferecem a quem obtém renda por meio deles, comentou Vicente Roqueñí, diretor sênior de Assuntos Governamentais e Políticas Públicas da DiDi na América Latina, em entrevista à DPL News.

O executivo mencionou que a discussão nesse sentido está em seu início entre todas as partes, e deve continuar nesse caminho para que todas cheguem a um acordo benéfico.

“Seria necessário pensar em como inovar nos esquemas de segurança social que existem atualmente no país (México) para encontrar um regime que se adapte à flexibilidade do modelo de plataforma digital. A realidade é que milhares de pessoas utilizam as plataformas digitais, algumas delas como complemento da renda ou por tempo parcial, há quem se dedique definitivamente às plataformas e se ocupa através delas.

“A realidade é que o esquema regulatório da segurança social no México é rígido e está sujeito ao vínculo empregatício que pode existir, e então você está sujeito aos direitos de segurança social. Ou no caso de ser um trabalhador independente e você mesmo paga sua previdência social, é realmente muito caro e provavelmente existem esquemas privados que são mais viáveis ​​para poder proteger as pessoas”, disse Roqueñí em entrevista após sua participação no Fórum de plataformas Digital e Segurança Social do Futuro (Pladiss).

Insistiu que a inovação no domínio da segurança social deve ir no sentido da manutenção da independência, mas, por outro lado, é permitida a contribuição para a segurança social deste setor das plataformas digitais, sem que haja um vínculo laboral.

Roqueñí acrescentou que é uma realidade que os direitos sociais e as relações trabalhistas são regulamentações tradicionalmente muito conservadoras, por isso é necessário evoluir, tornar-se mais dinâmico e flexível, mas com cuidado, para que não haja perda de direitos e ao mesmo tempo com uma visão de vanguarda porque trata da ocupação de milhares de pessoas.

Alejandro González
Alejandro González
Alejandro González tiene más de 13 años en el ejercicio periodístico cubriendo temas de la fuente de negocios, telecomunicaciones, tecnología, propiedad industrial y emprendimiento. En los 10 recientes años se desempeñó como reportero titular en Grupo Reforma (Reforma, Mural, El Norte y Agencia Reforma). También ha cubierto eventos y entrevistas a nivel internacional en países como España, Estados Unidos, Israel, Brasil, Inglaterra, entre otros.

Publicidad

LEER DESPUÉS