5G pode ser o caminho para a reindustrialização do Brasil

Leer en español

O 5G é a via principal para a próxima revolução industrial e, no caso do Brasil, pode ser o caminho para a reindustrialização. Essa foi uma das mensagens passadas no MediaTek Mobile Latam Congress na manhã desta quarta-feira, 14. 

Guilherme Spina, CEO da v2Com, comentou que o transporte de cada bit no 5G é mais barato do que no 4G e que a rede tem baixo consumo de energia, por isso a digitalização é facilitada. É possível conectar milhares de sensores e câmeras inteligentes em plantas industriais, por exemplo.

“A gente acredita que a curva de adoção vai ser das empresas mais sofisticadas para as menos sofisticadas. Por isso, o foco é falar com a grande indústria, e é uma necessidade do Brasil. O 5G pode ser avenida para a reindustrialização do Brasil”, disse. “Com o passar da década, com a tecnologia mais madura, tem a possibilidade de empacotar o 5G e as aplicações e gerar valor para as indústrias menos automatizadas”.

Relacionado: Anatel recebe primeiros resultados de testes 5G na Indústria 4.0

A Secretária de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, Nathalia Lobo, mencionou um estudo da Nokia e da Omdia, o qual estima que o 5G impactará US$ 1,2 trilhão no PIB brasileiro até 2035. Esse montante virá de avanços da agricultura, da manufatura, do governo digital, entre outros.

Lobo diz que o papel do governo para atingir essa expectativa é garantir que os compromissos advindos do leilão do 5G sejam realizados – responsáveis por aumentar a cobertura móvel e de fibra óptica – e facilitar a construção de redes privativas. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), por exemplo, destinou 100 MHz da faixa de 3,7 GHz para redes privativas.

Atila Xavier, Chief Technology Officer da TIM, afirmou que é importante observar a preparação das operadoras para atuar com o 5G. Desde julho, as empresas estão ativando a tecnologia nas capitais brasileiras e, segundo ele, é resultado de um trabalho que vem sendo realizado desde 2019, quando foram feitos os primeiros testes.

“Pelo lado das operadoras é importante que as pessoas vejam a preparação. A TIM vem fazendo um trabalho há alguns anos, pensando na evolução, de avançar a rede 4G e tecnologias como VoLTE.”

Modelo para outros países

Para Spina, a regulação do 5G no Brasil foi bem desenhada: foi disponibilizada grande quantidade de espectro e todas essas faixas dão ganho de escala, melhorando os custos para as empresas.

Lobo destacou o fato de o leilão do 5G ter sido não arrecadatório, priorizando compromissos de abrangência em sedes municipais e localidades e a modernização das redes de fibra óptica.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies